terça-feira, julho 12, 2011

Esperando sentada no banco

O maldito banco de horas é o tipo de invenção que desestimula qualquer cidadão de ser professor.

Eu imagino que banco de horas em qualquer lugar é uma faceta que faz qualquer um questionar sua profissão - mas o professor ter que cumprir banco de horas é muito pior. É um fator que determina totalmente a boa ou má qualidade do seu trabalho. E é um item de peso na lista de itens negativos a respeito de ser professor - que já não é uma lista pequena.

Creio que escola pública não tenha esse tipo de cobrança, mas também não tem o salário mais bacana do mundo - não que uma coisa justifique a outra.

Mas de fato ninguém dá um arrego pro professor:

O do ensino público muitas vezes não tem condição decente de trabalho, diversas vezes é mal visto, não tem seu trabalho devidamente reconhecido e valorizado, inúmeras vezes o 'sistema' lhe tolhe iniciativas importantes, muitas vezes enfrenta situações arriscadas e ainda por cima é majoritáriamente mal pago.

O do ensino particular se vê tolhido pelo 'comércio' que a escola hoje em dia se tornou, se pega fazendo malabarismo para acalmar pais/clientes, e muitas vezes tem que se render ao velho clichê "o cliente sempre tem razão". Além disso tem várias outras cobranças variando de escola para escola quanto ao mais amplo leque de mesquinharias - e o banco de horas, que não é mesquinharia, ainda vem para ser a cereja desse sundae ruim.

Pelo menos no meu trabalho é assim: Eu tenho que cumprir banco de horas pelas horas que eu teoricamente estaria trabalhando mas não estou porque os alunos entram de férias e assim sendo o setor pedagógico do curso entra em recesso. Então para eu poder entrar em recesso também eu tenho que trabalhar essas horas previamente, em horários que não correspondam ao horário normal que eu teria que cumprir.

Até parece justo e fácil, falando assim, mas não é.

Primeiro, se o aluno paga o mês de julho normal mesmo não tendo aula, teoricamente é pura escrotidão que o professor tenha que ir fazer qualquer coisa no curso. Afinal, não é culpa do professor que não está tendo aula.

Quem decidiu que ia ter recesso não ia ser o professor. Se não tivesse recesso estaria lá dando aula normal, no problem. Agora se a sua função consiste em dar aula e por uma decisão não sua e sem prejuízo nenhum para o dono da empresa não haverá aula, isso deveria dizer que o professor pode ficar em casa relaxando.

A função do professor não é arrumar estante, organizar pastinha disso ou daquilo, corrigir refazer provinhas/chaves/atividades, bolar atividades extras e etc.

Parece que é? Mas não é não, porque se fosse, toda vez que isso é feito DURANTE o semestre letivo, nos seriamos pagos por isso. Mas não, ninguém recebe nada nem em dinheiro nem em tempo por todo o material que foi preparado, tudo que você fez a mais, todas as vezes que você foi lá é botou o material já existente no lugar. Isso é taken for granted, desconsiderado totalmente.

Aí para cumprir o banco de horas no FINAL do sementre, você tem que fazer justamente essas coisinhas? Me desculpe, mas isso é totalmente desconsideração, e está bem próximo a sacanagem. Para mim beira o desrespeito e a falta de excrúpulos.

E pior é que tem que cumprir o horário mas não pode ser com tarefas assinaladas de banco de horas. Isso quer dizer que você pode literalmente ficar sentado fazendo porra nenhuma e só começar a trabalhar depois que bater a hora final do expediente regular e começar a do banco de horas.

Diz é ou não é um absurdo?

Mais absurdo do que isso é: "Ó, você tem que ter a aula preparada para dar e tudo arrumadinho certinho, não me importa quando você vai fazer isso, mas aqui, só te pago pelo trabalho que você faz em pé dentro da sala, tá?" Dá ou não dá vontade de ligar o



... e jogar tudo pro alto.

Se vida de professor fosse menos cheia dessas ignorâncias ia ter muito mais professor nesse país.

Depois eu rio quando neguinho faz campanha na tv dizendo "venha ser professor" e eu que sou a escrota.

4 comentários:

Dany disse...

E o pior é que quem vê a gente reclamando acha que a gente quer ganhar mas não quer trabalhar.
Só que ninguém vê que a gente passa o semestre inteiro trabalhando horas que não são pagas (preparar aula, fazer joguinho, atividades, corrigir coisas...).
Que mal teria a gente ter esse tempo livre como forma de compensação pelo nosso trabalho não pago durante o semestre?!?
Eu acho pura mesquinharia: manter o professor na escola sem ter nada pra fazer.
Ju, eu ando tão rebelde que eu fico lá cumprindo horário e faço questão de mostrar que não tô fazendo nada, tipo: fico de cabeça baixa na mesa, de olhos fechados fingindo que tô dormindo. Outra pessoa joga paciência no computador. Enfim, é uma forma de protestar.

Morena disse...

Eu sei que n é assim lá na faculdade! Tanto que é impossíveeeeeel achar professor nas férias!
rsrs

Proteste tbm! rs

Beijos saltitantes
Boa semana

Lulu on the sky disse...

Só quem e professor sabe e entende o quanto se rala para conseguir um salário no final do mês.
Tb detesto banco de horas.
Big Beijos

kika disse...

se eu te dissesse os desaforos que sofro no pronto socorro......!!!!!

o problema da humanidade: falta de educação!!! sabe aquelas de pai e mãe!? do tipo mais básico... "não responda os mais velhos!"... pois é... acabou, neguinha!!!!

bjo!