quinta-feira, maio 31, 2012

De volta para a casa

Não para a casa física, a morada, a habitação na qual eu resido.
Agora eu preciso reconstruir o caminho de volta para a casa dos 50kg.
Estou pesando 62.6 kilos de novo - pausa para olhar da marmota dramárica.

Sabe quando você sabe de uma coisa e quer fingir que não sabe, que não viu.
Eu estava assim há uns dias. Estou sacando que eu engordei, mesmo. Não precisei de balança para saber.
Mas eu hoje perdi o sono pela terceira noite seguida e então, há alguns minutos atrás, resolvi que era hora de encarar a balança, coisa que eu tenho ignorado há uns bons 2 meses. 

Comecei ignorando as pesagens diárias (dane-se o que se diz a respeito disso, eu me peso todos os dias sim, emagrecer é um trabalho diário), depois as semanais, depois as quinzenais e parei de vez. Eu sei que isso é pura e completa auto sabotagem e isso me leva mais uma vez à seguinte constatação: Eu nunca vou poder parar de fazer dieta na minha vida. 

Não posso achar que dá para fazer isso, porque não dá. Eu realmente não sou uma pessoa como as outras, eu sou uma pessoa gorda e por mais que por fora não pareça, eu não posso pensar diferente disso, ou senão retomarei todo o peso que perdi.

Eu não posso simplesmente comer o que eu quero quando dá vontade, porque "o que eu quero quando dá vontade" é mais do que eu posso e devo ingerir. "O que eu quero quando dá vontade" é provavelmente a pior escolha na pior hora. Se eu comer livremente, sem fazer dieta, vai ser errado e eu vou engordar, então é isso, eu preciso martelar na minha cabeça ad eternum que nunca vou chegar um ponto e dizer "agora sou uma pessoa magra e não preciso mais me preocupar com comida". 

Eu nunca vou ser aquela pessoa magra que come quando está com fome e não engorda. Primeiro porque eu estou sempre com fome. Segundo porque como eu sou uma pessoa gorda, eu como mais do que preciso sempre, e eu SEI DISSO, só estou escrevendo de novo para renovar os votos mentais de compromisso com o emagrecimento, como de tempos em tempos preciso fazer para chorar as mágoas do peso "re-ganho" e demarcar limite final da sitação de enfiação de pé na jaca.

Então mais uma vez, de roupa de ginástica no corpo, com pouca comida no prato, sem carbohidratos a noite e com metas de redução de medidas na cabeça, lá vou eu para aquela rota longa e que nunca termina do emagrecimento, rumo à casa dos 50kg. Já descansei e relaxei do lado da estrada, à sombra das guloseimas por muito tempo e é hora de por o pé na estrada.

Bjos!

... ... Agora interessante como eu sempre tenho uns "patamares de peso", sabe? Uns pesos específicos para os quais eu sempre volto, os mesmos números, nunca fora dessas casas. Os meus patamares são: do mais alto 68.8 > 66.8 > 64.6 > 63.6 > 62.6 > 61.9 > 60.2 > 59.8 > 58.9, o mais baixo. Nunca tive os números intermediários, sempre fico exatamente com esses.


domingo, maio 27, 2012

Caminho de Volta

Para explicar sem ter que gritar - né Micha...
Para quem já sabe ficar re-sabendo - né Advi...
E para os outros que se interessarem assim como para eu registrar mais uma vez...

Meus pais estão saindo de Cabo Frio.

Meu pai, que trabalha em sistema de plantão em Além Paraíba, MG, foi transferido para  Juiz de Fora, que é uma hora mais longe e o plantão começa uma hora mais cedo. Ou seja, ele ia ter que sair de Cabo Frio duas horas antes do que já saía, que era às 4h da manhã. 

Então, considerando que o meu pai já está um pouco velho e cansado (de acordo com ele mesmo, eu nem acho) para acordar tão cedo e dirigir assim um estirão...
+ E considerando também que a minha madre está muito insatisfeita com o lugar onde ela trabalha la no Fórum de CF...
+ E adicionando-se ainda o fato de que toda hora eles acabam vindo em médicos e afins aqui em Nkt ou no Rio...
+ E levando em conta que eles não aguentam mais ficar longe de mim e da minha irmã (aiai ser tão importante assim na vida de outrém é muita responsabilidade, rs...)
= Eles resolveram que o melhor é voltar para cá.

O único problema por enquanto é ONDE seria esse CÁ hipotético. Já foi dada a largada da corrida "Mudem para Niterói" com filhatrocínio meu contra o movimento "Mudem para o Rio" idealizado pela minha irmã (cuja vida e interesses estão do outro lado da Baía de Guanabara). 

Independentemente de onde esse futuro estabelecimento for, eu estou é muito afim de que seja logo. A princípio fiquei um pouco resistente, porque eu já moro a tanto tempo longe deles que pensei que poderia ser complicado voltar a morar assim perto, ainda que a oposição vença e eles se estabeleçam no além-poça. Mas isso foi só uns três dias. 

No quarto dia já estava até planejando o quando vai ser muito melhor eles virem para cá mesmo, pensando onde eles poderiam morar e até catando preço de apartamento (porque ainda que eles venham para Nikity City, não virãm morar nesse apartamento que eu moro, que é deles, porque querem um apto maior, melhor e mais confortável - e com varanda dessa vez - para um estabelecimento definitivo. Eles só ficariam aqui cmg e Dani em caráter provisório).

Também fico feliz porque os meus avós maternos (ainda que contra a vontade do meu avô) "serão mudados" para cá de novo e isso vai ser muito bom para eles, porque eles vão poder estar mais em família, além de facilidades médicas e de transporte, é claro. O único ponto negativo disso é que eu não sei o que eles farão com a Nina, a cachorrinha deles. Ia ser tristão ter que doá-la, caso eles venham prum apartamento. "Cachorro não é gente e lugar de bicho é no quintal" é uma das crenças mais fortes da minha família e a cachorrinha, apesar de velhinha, tá longe de bater as botas.

Mas, resumindo, é isso. Eles vão voltar e eu quero que seja logo, pois vai ser muito legal. No entanto essas coisas demoram, porque a minha mãe pediu remoção/permuta e esse é um processo longo. Igualmente longo é o processo de vender a nossa casa lá (ai que triiiisssste sou muito apegada materialmente lá).

Gozado que ontem eu sonhei que eles não iam vir mais, e fiquei felizona no sonho também.
Conflito psicológico?

domingo, maio 20, 2012

1 mês e 20 dias depois...

Eu vou contar o que eu tenho feito.

Primeiro o que eu NÃO tenho feito e foi uma grande burrice da minha parte: Parei de fazer Yoga e Dança do Ventre para dar um up na conta bancária assolada pelo pagamento de dívida de terceiros, mas realmente não vale a pena. A melhor decisão é deixar os endividados de virarem e continuar a me alongar e me balançar, porque os gastadores ingratos estão lá felizes e eu estou aqui triste com isso! 

VOLTEI A CORRER um pouco, conquistanto aos poucos o ritmo devagar, mas já me inscrevi em 2 corridas pra esse ano: A primeira será o Circuito Fun and Run 2012, em Niterói mesmo. Recomeçando com 4km em casa, na minha pista de sempre. A segunda serão os 10km do Circuito das Estações Adidas de Inverno - o primeiro grande desafio do retorno!

Fui para São Paulo no Lollapalooza ver Foo Fighters, fazer a pior viagem de avião da minha vida, com direito a dormir no chão frio do aeroporto e por fim ainda perder a câmera do Ty! Mas assisti ao show da minha vida, que espero poder repetir sempre que for possível os caras arrasaram!

Fui para Brasília rapidinho só para comemorar o niver do meu avô paterno e conhecer a casa deles e do meu padrinho lá, que eu nunca tinha ido! Adorei tudo e pretendo voltar mais vezes à capital do meu país, e espero ter tempo para ver Mere e Bia da próxima vez!

Agora, o grande evento da temporada foi a aprovação do meu Digníssimo namorado da Prova da OAB! Após algumas tentativas mal-fadadas, meu príncipe encantado agora é advogado, urrul! Fiquei muito feliz, ficamos todos muito felizes e quero aqui dar parabéns para ele!

E a grandessíssima novidade da temporada é que MEUS PAIS VIRÃO em definitivo para Niterói, num futuro não muito distante. Quer dizer, eu não sei ainda se eles virão para Nkt ou para o RJ, mas eles se mudarão out (or) back from Cabo Frio e esse processo é irreversível. Os porquês e as implicações ficam para um próximo post!



sábado, maio 19, 2012

Recorrentes e reincidentes...

Umas coisas que têm me atacado ultimamente...

A rouquidão, já típica do final de semestre, só que dessa vez veio no meio. Só me esforçar mais um pouquinho e já fico sem voz. Passei umas três semanas com a garganta que se eu pudesse eu jogava o fabricante na justiça por ser tão ruim e estragar tão fácil!


A crise de alergia no melhor estilo escroto que eu há muito tempo não tinha... Sinal de que é provável que, se eu tomar vergonha na cara e for procurar um médico decente, vou ter que encarar mais um novo ciclo de vacinas.

A dor de barriga repentina noturna, geralmente na sexta ou no sábado. É só pisar, digo, comer, um passo fora da linha ou do horário que vem aquela incoveniente vontade explosiva de ir no banheiro, que chega sempre sem sinal e é de episódio único.

A dor de barriga psicológica. É só ficar ansiosa, nervosa ou frustada que dá vontade de ir no banheiro, e eu vou mesmo, não é só cólica, não, é dor de barriga com resultado real, o que torna a situação mais exasperadora ainda!

A boca rachada, ressecada? Gente, o que há de errado com os meus lábios, que indiferentemente do tempo/clima estão rachados direto, não sei mais o que fazer, aja hidratante labial para dar conta! O que vocês me recomendam?

A preguiça de fazer exercício.
A preguiça de ler.
A preguiça de arrumar as coisas.

A ENORME vontade de comer. Comer tudo, toda hora. Comer bobeira sem parar, incontrolávelmente. É possível que eu esteja compensando algo com comida? Sim, talvez eu esteja compensando a falta de comida com comida. Compensando os meses de dieta com desequilíbrio, rs... Isso me deixa pra baixo.

Tenho estado meio assim ultimamente, meio doente e pra baixo - mas vejo a luz no fim do túnel, vejo o fim do semestre chegando! Férias URRUL!

sexta-feira, maio 18, 2012

A minha vida bem que podia ser uma Brastemp cereja numa área de serviço toda branca... mas nem é...

Mas estava aqui pensando que mesmo ela sendo uma Consul branca numa área de seviço bege-amarelada, não deixa de ser legal mesmo assim.

E vejam bem... os Foo Fighters - minha banda de rock preferida e que eu tive a oportunidade de ver no Lollapalooza em SP no mês passado - têm um cara que toca acordeon! Isso para mim é uma grande metáfora para o quão surpreendente pequenas coisas podem ser, e eu aqui fazendo caso da minha vidinha cheia de coisas pequenas ao invés de shut up and write something!

Então eu quero agradecer a minha mãe, que me encheu o saco incentivou a voltar a escrever qualquer coisa aqui, e eu acho que ela tem razão. Depois seguem mais uns catch-up posts sobre a quantas anda a minha vida, para quem interessar possa e principalmente, para EU fazer o MEU registro da passagem dos meus dias. 

E eu quero fazer uma declaração de Dia das Mães atrasada, então, em homenagem a minha grande enchedora de saco preferida: Mamy, na minha cabeça, a Claire é você, é a sua cara. Mas o James não é o meu pai, não. Mesmo. Tá longe dele, hehe. Mas eu não fico pensando em você quando eles se pegam, não, tá! Aí vira qualquer outra atriz!