sábado, setembro 29, 2012

26

.
Parabéns para mim, que essa semana farei só falta 4 anos para 30 anos !

Esse aniversário não me deixa muito animada. Eu adoro comemorar aniversário e acho que o meu tinha que ser feriado - ou ao menos ter caído num feriado, para eu sempre ter o dia livre e só para mim... acho um absurdo e um saco ter que ir trabalhar no MEU DIA!

Mas não é só por ter que trabalhar hoje que eu estou meio down. São pelos "só faltam quatro para trinta".

Só faltam quatro anos para eu ser oficialmente uma balzaquiana ou para várias coisas que já deveriam ter acontecido acontecerem. Pelo velocidade e tendência de que as coisas vem acontecendo na minha vida, é mais provável que eu venha a ser mesmo a clássica mulher descrita pelo distinto escritor francês.

Conversando com a minha amiga Advi, que também passa pelo mesmo questionamento que eu passo, cheguei a conclusão que há algo de errado no reino das pessoas que fizeram tudo o que tinham que fazer.

Em algum/alguns momentos na minha vida eu pensei tudo que deveria ter feito antes dos 30. Ok, nunca foi uma lista fixa e acertiva ou uma coisa muito determinada, mas, sempre tive mais ou menos uma noção quase sempre igual desde que tive alguma capacidade de planejar um futuro qualquer.

Num futuro qualquer antes dos 30 anos, eu já deveria ter um emprego que me deixasse super bem de vida, ter saído de casa e estar super independente, morar numa casa bem grande com o amor da minha vida e dois ou três cachorros bem grandes correndo pelo quintal. Já deveria ter viajado consideravelmente pela Europa, dado a volta no Reino Unido e ter feito o Caminho de Santiago. Algo assim, mas nada muito "tem que ser assim ou pulo da Ponte". Só "algo assim desse tipo" seria tranquilo, o problema é não ser NADA DISSO.

O emprego tem, e eu não tenho ilusão - professor não fica milionário.

O amor da minha vida tem, mas a casa grande e os dois ou três cachorros ainda nem sonham em despontar no horizonte - um apartamento pequenininho e de caridade maternal parece ser o mais provável, e ainda assim beeeem distante.

As viagens - melhor nem comentar. Talvez eu precise mesmo fazer o Caminho de Santiago para ver se vem um revelação para mim do que devo fazer da vida.

Citando a minha enfermeira preferida: "A gente estudou, trabalhou, se dedicou, foi exemplo... e quaaaaaaaal a nossa recompensa? Mais estudo e mais trabalho???"

Parece que sim. Ter estudado, formado, graduado, pós-graduado, trabalhado e economizado... Só faz parecer a vida dos "que não querem nada da vida e não tem onde cair duro" parecer mais divertida. Sim, as cigarras se divertem enquanto as formigas trabalham, e quando o inverno chega as formigas estão quentinhas e as cigarras morrem de frio - não era assim a fábula? Ó Deus, onde está esse inverno, então? Eu me sinto como se estivesse dentro de Westeros e vivesse escutando os Stark falarem que "O Inverno Está Chegando", mas o outono parece interminável!!

Também não me parece que fazer um monte de merda e coisas inconsequentes sejam o caminho certo, mas vejo um monte periquetes e "muleks piranha" irresponsáveis, sub-celebridades sem talento algum, mulheres-fruta e gente "vida loka" aproveitando muito mais a vida do que eu, que fico enxugando gelo tentando enfiar uma língua na cabeça de uns que deveriam tentar no máximo jardinagem.

Bom, pode ser que eu tenha visto filme da Disney demais e novela violenta e sem conteúdo de menos e não esteja tendo uma idéia realista da vida. Pode ser não, eu vi filme da Disney demais, mas tenho esperança que a vida não se pareça em nada com a novela das 9h - isso não está certo e não é justo.

Enfim, não quero mudar de emprego, nem de amor da vida, nem de jeito de entender que as coisas tem que ser, então o que me resta é continuar na mesma trilha e torcer pela inversão das estações. Será que nos próximos 4 anos isso acontecerá? Qualquer coisa que faça passa "disso", talvez? 

Enquanto isso, espero pelo dia do "parabéns para mim" sem muita vontade de celebrar, mas com uma vontade bem grande de comer bolo!

quinta-feira, setembro 20, 2012

Amizades

Um tema polêmico, para mim, sempre.

Escutei um podcast esse semana que me fez refletir, e eu também já vinha refletindo sobre isso desde umas semanas atrás, desde o final de semana dos fatídicos dois casamentos em um dia, um de manhã no Leblon e outro de noite em Cabo Frio.

Os dois casamentos em um dia - qualquer semelhança com o filme "Vestida para Casar" não é pura coincidência" - foram dois opostos:

No da manhã, pequeno evento, só 50 convidados, sou amiga da noiva, que conheci no colégio, e os amigos da noiva convidados eram todos os meus amigos do colégio, pessoas que eu gosto e estão no meu coração, por mais que eu veja mais no Facebook do que na vida real, são pessoas que eu considero, me interesso, desejo bem, gosto de estar junto e me sinto à vontade. No da noite a noiva e o noivo também estudaram comigo.

Percebem a diferença? "Amigo de colégio" X "Estudou comigo"? Vamos dizer que 80% das pessoas que frequentaram mesma escola que eu estavam lá, mas a primeira coisa que eu fiz ao entrar na festa foi agarrar o Ty pela mão e dizer "Não me deixa sozinha". Claro, isso e nada foi praticamente a mesma coisa, e lá fui eu passar a noite socializando no melhor estilo "mulher de candidato à eleição" possível, conversando sobre nada e coisa nenhuma elevadorísticamente com vários, à exceção do meu ex-professor de Geografia (grande figura, sempre presente, um super querido mesmo), dois amigos meus que estavam lá e um ou outro indivíduo que eu não via há tanto tempo e que gostei de reencontrar - mas provavelmente o contato mais verdadeiro da noite foram as sms que eu troquei com a Advi reclamando de que queria ter ficado no primeiro casamento, rs...

No dia seguinte teve um churrasco na casa de um outro amigo meu e só ia dar "a gente" mesmo se não tivessem vindo uma surpresa agradável e outra nem tanto - daí vem as reflexões sobre amizade.

No podcast os caras comentavam que os seus amigos do colégio não era os seus amigos de verdade. Os seus amigos de infância são amigos de ocasião, relações nascidas de uma coincidência físico-temporal, geradas pelo acaso e outros fatores caóticos variantes que determinam um "coleguismo" inicial de situação que, a príncipio e em princípio, pela juventude do indivíduo, não deve ser considerado uma amizade verdadeira. Essas pessoas que você considera os seus amigos de infância/adolescência podem ou não se tornar seus amigos de verdade depois, quando você e eles amadurecem (*). É como uma regra dos 15 anos para amizades. Não, é a pura aplicação da regra dos 15 anos nos relacionamentos. É provável que nunca antes na história desses país eu tenha escutado uma definição melhor das minhas amizades.

Eu definitivamente sou ótima em fazer sala e social, mas isso vai me dando um ânsia de vômito por dentro depois de um tempo. Se a pessoa realmente não me interessa, eu não curto ter que ficar convivendo com ela seguidamente - me incomoda. E olha que eu tento buscar qualquer ponto de identificação, mas tem coisa que simplesmente "não bate o santo", por mais que você consiga engajar uma conversa até divertida, é aquela coisa da situação, não é como se você chegasse em casa pensando em repetir a dose, o "sentimento" não é verdadeiro, mas também não chega a ser "falsidade". É só uma "incompatibilidade". Me irrita muito ter que, por causa do namorado e de outros amigos, conviver com pessoas que eu já estou há anos tentando mas a amizade não rola.

Das minhas amizades de infantolescência, poucas resistiram. Algumas a distância separou, mas o sentimento de bem querer continuou. Outras foram afastamentos naturais mútuos decorrentes do "envelhecimento", graças a Deus nenhuma foi por briga e outras se tornaram insustentáveis por mai que ambas as partes se gostem, a química acabou, como aquele casamento que vira amizade, só que quando é com amizade ela vira uma amizade, só que sem amizade - estranho, eu sei, mas eu tenho uma assim. Agora o difícil mesmo é que aquelas pessoas que nem nesse começo da sua vida era suas amigas venham a se tornar qualquer coisa do tipo. Não que seja impossível, mas é bem difícil. Se você não teve nem uma conexão inicial instintiva com certa pessoa, como esperar que racionalmente ela se torne parte da sua vida. Você pode até tentar, mas eu acho extremamente complexo rolar.

Ao mesmo tempo, tem pessoas que você reencontra e percebe que as pessoas que vocês eram lá atrás não combinavam, mas as que vocês são agora podem se dar bem, sim. Isso pode ou não virar uma amizade verdadeira, mas no meu caso isso sempre acaba sendo só uma agradável surpresa, que me faz feliz.

E sabe por quê? Porque eu acho que ninguém precisa que todas as suas amizades sejam verdadeiras! De boa? Umas 5 pessoas tá bom! Eu devo ter uns 10 que eu considero amigo de verdade, mesmo. Mas se fosse para "chamar alguém para te ajudar a dar fim num corpo" - esse era o critério do podcast - hummm... Eu sou amiga de verdade o suficiente e assisti "Detetives Médicos" o suficiente para saber que o melhor é resolver sozinha!!!!!

Isso tudo porque estou vendo que vai rolar um revival dos tempos do colégio com o meu namorado e outro amigo meu, que estão num humor nostálgico-saudosista do caceta desde do casório. CDFs como eu tem uma visão muito mais realista da vida, e tem amigos muito melhores depois que saíram do colégio, definitivamente - amigos de verdade. É isso que acontece com a "garota patinho-feio" que começa a namorar com o "cara mais popular da escola" nas comédias românticas americanas: Depois que passam os créditos finais, ela se vê forçada a conviver com todos aqueles que não ligavam para ela tanto quanto ela dava importância para eles - aja paciência!

A única coisa que me deixa menos sem saco de ter que conviver com essa galerinha é ter a comprovação que o patinho feio sempre se torna o cisne, mas os patos continuam sempre os patos. Ai como isso faz bem pro ego!!


(*) só deixando claro que o podcast foi super engraçado e eu que resumi a conclusão de maneira tão metódica e cansativa!

sexta-feira, setembro 14, 2012

Você Pina como eu Pino?

Hahahaha que piadinha mais INFAME, mas tinha que fazer, hahahaha!!!

Eu estou VICIADA no Pinterest, muito mesmo! 

Todo dia dou um jeitinho de entrar, dar uma pinadinha, ou só mesmo uma olhadinha...
Só que "uma olhadinha" no Pinterest nunca é só uma olhadinha... quando você vê já está há três horas rolando a página para baixo sem parar, e os Pins nunca acabam! Tem cada um mais legal do que o outro! Comecei a colocar as melhores pinboards nos meus feeds do Google Reader para poder olhar com calma as coisas que me interessam - já dividi umas 20 categorias diferentes de temas que eu curto! Muito legal mesmo!

Não só o Pinterest, mas o Pinspire também me cativou, apesar de nele, eu só observar, não pinar nada. O Pinspire é uma cópia deslavada do Pint, mas muito bom também - quanto variedade mais melhor! Além disso também tenho visto o WeHeartIt, mas acho que o layout desse não é muito prático e acabo olhando menos, apesar de ser bem bacana!

... ... ... ...

Passei essa semana de "adaptação" ao retorno dos meus queridos genitores tentando reorganizar minhas coisas para que fiquem contidas e arrumadas e abram espaço para as coisas de mais duas pessoas. Explicando-me: Desde que mudei para meu atual apto utilizo o meu quarto e a suíte dos meus pais a vontade, tanto para dormir quanto armazenar as minhas coisas - eu tenho muitas coisas. Na verdade, eu tenho ainda mais coisas do que as que estavam harmoniosamente distribuídas nos dois cômodos - e essas coisas estão lá em Cabo Frio ainda, o que muito me preocupa - um dia terei que arrumar espaço para elas também... Mas primeiro o que vem primeiro, o que já está aqui! Passei a manhã inteira tentando "dar um jeito" e me conscientizei que algumas coisas tinham que ser empacotadas e eu provavelmente só sairão de seus esconderijos para minha própria casa. Deu um trabalho considerável, mas consegui reordenar tudo e ainda deixar bonitinho!

... ... ... ...


Falta menos de um mês pro meu aniversário e eu ainda não sei o que fazer - festinha, churrasco, nada... aiaiai!




quarta-feira, setembro 12, 2012

Nesses últimos dias...

Teve o final de semana de feriado prolongado mais agitado do ano...
(Almoço Blogueiro, Show da Alanis Morissette, Sábado e Domingo Blogueiro...)

Teve a mudança efetiva da minha mãe para Nkt...
(Como é estranho voltar a morar com os pais depois de 7 anos sem!)

Teve a saudade sem fim do namorado...
(Que ainda não matei!)

Teve pé na jaca gastronômico e sono acumulado...
(Tentando compensar os dois!)

Aiaiai, foram mesmo só 3 dias de feriado? Pareceu 1 semana!

quinta-feira, setembro 06, 2012

Eu tenho tanto pra te falar...

... que até me dá preguiça de dizer...

Maaaas, como é grande o meu amor por este bloguinho me sinto compelida a vir aqui me declarar, contar a quantas anda a minha vida...

Desde a última postagem, muito mudou!

Mudou o meu cabelo, que, como os meus principais leitores já sabem, agora está curtinho! Foi a realização de uma vontade antiga que, na sexta passada, tomada por um ímpeto, concretizei, dando adeus a mais de 15cm de madeixas que já estavam atazanando a minha vida.

Desde então estou totalmente satisfeita com o resultado, que é muito prático e eu achei estiloso também - além de ter a manutençāo muito mais barata! A parte que "sobrou" é a que está menos maltratada do tempo e de química, portanto tem um aspecto muito mais saudável e natural. Claro, está relaxada e se eu não passar nenhum produto especial fica lisa, mas só um poquinho de mousse já deixa ele todo enroladinho. E, essa semana eu já não precisei lavar 2 vezes, o que realmente faz um bem considerável às madeixas - eu estava tendo q lavar todo dia, aja saco!

Mudou também a minha mãe, de cidade. A permuta dela saiu e a partir do dia 10 ela vai voltar a trabalhar no Rio, e vai vir morar em Niterói, comigo!

Ainda não sei exatamente qual serão as implicações práticas disso porque a casa em CF ainda não foi vendida e meus pais ainda não estão muito decididos no que fazer quando isso acontecer, pois os meus avós maternos tem que voltar para cá também mas não querem, um drama danado... 

Mas eu só consigo ver benefícios, agora vai ter sempre comida em casa e é provável que eu nunca mais precise ficar figiando quanto falta para acabar qualquer coisa, rs... O carro vai vir morar com a gente também, e provavelmente quando for trabalhar em Itaipu poderei usá-lo, caso esteja livre! Fora que a minha mãe está muito feliz com isso e tenho certeza que vários dos problemas de saúde dela vão melhorar!

Bom, na verdade foi só isso que mudou, mas isso são duas coisas MUITO significativas!