sexta-feira, setembro 26, 2014

Ainda sobre o pós Meia

Essa é a figura que me define agora:















Após a Meia, continuei na academia, continuei correndo quatro vezes por semana - apenas não mantive o longão de sábado. Não tem porque não fazer isso. Correr é absolutamente a coisa mais legal que eu faço no meu dia-a-dia... 

AMO CORRER demais, como pode?

terça-feira, setembro 02, 2014

Inteira, depois da Meia

A Meia Maratona Internacional do Rio de Janeiro veio e passou.
Os 21 quilômetros tão aguardados, tão sonhados, tão antecipados...

E o resultado, que é o que todo mundo quer saber, foi:

CLASSIFICAÇÃONUMATLETAIDADEFX.ET.CL.F.EEQUIPETEMPOTEMPO LÍQUIDO
1960º12785Juliana Nascimento Correa28F2529252LEMEC02:41:5202:28:31

E como que foi para sair esse resultado?
Foi sofrido. Foi sacrificante. Foi ótimo. 

Nas 9 semanas de treino, não houve um dia se Sol de verdade. Mas no dia da Meia, o astro rei apareceu com tudo para prestigiar a prova. Claro que não era um Sol de verão, a temperatura não passou de 25°C... Mas correr com o Sol na cuca no tempo foi dolorido, foi muito mais cansativo do que imaginava. 

No sétimo quilometro o almoço Joe&Leo's do dia anterior começou a fazer efeito e aos 10km, no final da Praia de Copacabana, eu tive que dar um pit-stop emergencial para "aliviar a pressão". Estava desidratando direto, fiz muito uso do isotônico oferecido pela organização e tomei muito banho de água mineral. O gel de reposição de carboidratos, que eu odeio, mas tinha levado (nunca se sabe), desceu como um manjar dos deuses no km 14. Enquanto o percurso era pela orla até Botafogo, a paisagem me manteve distraída. Ao chegar no Aterro "meu quintal", achei que seria a parte mais fácil, mas ao contrário do que imaginava, ver aquele conhecido cenário que não acabava nunca, bateu um desespero. No km 16 meus pais estavam esperando por mim, torcendo, tirando fotos... faltava pouco. Estava super cansada e pensei em desistir por volta do km 18, mas o mp3 no modo aleatório começou a tocar Free Bird, da banda Lynyrd Skynyrd, e além do mais tinha um rapaz sem uma perna, correndo de muletas, na minha frente... que tapa na cara, como eu podia estar arregando quando faltava tão pouco? Devagar e sempre eu segui, aliás, bem devagar mesmo. Na linha de chegada, lá estavam os meus pais de novo, para mais fotos, e eu quase chorei de emoção (ou de exaustão?)

Mas valeu super à pena. Foi uma grande conquista. Uma grande vitória. E apenas a primeira, pois agora que já inaugurei nas provas mais longas, não pretendo mais parar. Afinal, uma Meia Maratona é apenas uma prova de 5 km com 16 de aquecimento. Agora, rumo à Corrida da Ponte!